Lepanto: 7 de Outubro de 1521-2020 - Corrispondenza romana
Print Friendly, PDF & Email

Lepanto: 7 de Outubro de 1521-2020

Print Friendly, PDF & Email

(Dies Irae – 7 de outubro de 2020) Hoje, dia em que se assinala a vitória da Cristandade sobre os infiéis, em Lepanto, o Prof. Roberto de Mattei, Presidente da Fundação Lepanto, divulga uma vídeo-mensagem por ocasião da abertura do ano jubilar que servirá de preparação e de comemoração do 450.º aniversário deste grande feito, que se assinalará a 7 de Outubro de 2021, em Roma, por meio de um grande encontro. O portal Dies Iræ disponibiliza a tradução portuguesa da mensagem transmitida por Roberto de Mattei.

O Céu e a terra estão menos distantes do que se possa imaginar, porque tudo o que acontece na terra é um espectáculo contínuo para o Céu.

No Céu, que é o lugar da perfeita liturgia divina, também se comemoram certos aniversários e, entre eles, um dia privilegiado é o 7 de Outubro de 1571, data da vitória da frota cristã, contra o Islão, em Lepanto.

Aquela vitória deveu-se ao valor dos combatentes cristãos que enfrentaram um inimigo feroz e poderoso com a firme determinação de vencer ou morrer. Muitos morreram, mas a armada cristã obteve a vitória.


Sostieni Corrispondenza romana

Seleziona il metodo di pagamento
Informazioni Personali

Informazioni Carta di Credito
Questo è un pagamento sicuro SSL crittografato.

Totale Donazione: €100.00

A razão da vitória, porém, ainda mais do que no valor dos homens, está na força espiritual de um homem que criou a Liga Santa cristã e a sustentou, dia-a-dia, com a sua oração: São Pio V.

Como recompensa da sua fé e da sua confiança, o Papa obteve, do Céu, a graça de conhecer, em Roma, o êxito vitorioso da batalha, no momento em que esta terminava, a milhares de quilómetros de distância.

Pio V atribuiu o mérito da vitória não a si mesmo, nem ao valor das armas, mas Àquela a quem tudo havia confiado. Por isso, ordenou que, na Ladainha Lauretena, se acrescentasse a invocação “Auxilium Christianorum, ora pro nobis” e fixou, a 7 de Outubro, uma festa em honra de Nossa Senhora do Rosário. Da mesma forma, a República de Veneza mandou pintar, na sala do seu Senado, esta inscrição: “Não o valor, não as armas, não os líderes, mas Nossa Senhora do Rosário fez-nos vencedores”.


Sostieni Corrispondenza romana

Seleziona il metodo di pagamento
Informazioni Personali

Informazioni Carta di Credito
Questo è un pagamento sicuro SSL crittografato.

Totale Donazione: €100.00

O Venerável Papa Pio XII, num discurso proferido, a 7 de Outubro de 1947, a um grupo de senadores e representantes do Congresso dos Estados Unidos, afirmou que o 7 de Outubro é «um dia de agradecimento comemorado no calendário da Igreja, não apenas porque os santuários da Europa e os seus altares foram salvos da total destruição, mas também porque as orações ordenadas pelo Papa de então, São Pio V, deram, universalmente, um grande contributo para a vitória».

A vitória, portanto, veio, antes de tudo, do Céu, como cada acto bom que acontece na terra, porque o homem, com as próprias forças, só é capaz do mal, enquanto só é capaz do bem quando colabora com Deus e é assistido pela sua graça.

E uma vez que Deus, para realizar os seus planos, se serve dos Anjos, deve-se crer que os Anjos, no dia de Lepanto, favoreceram a vitória, sob a orientação da sua Rainha, a Virgem Santa Maria. E é por isso que, a 7 de Outubro, no Céu, os Anjos celebram Maria, Auxilium Christianorum, Nossa Senhora da Vitória, vencedora de todos os inimigos externos e internos da Igreja Católica.


Sostieni Corrispondenza romana

Seleziona il metodo di pagamento
Informazioni Personali

Informazioni Carta di Credito
Questo è un pagamento sicuro SSL crittografato.

Totale Donazione: €100.00

Muitos anos se passaram desde então. A 7 de Outubro de 2021, daqui a um ano, ocorrerão os exactos 450 anos da vitória de Lepanto. Este aniversário será recordado no Céu e nós queremos recordá-lo na terra com uma solenidade particular.

A 7 de Outubro de 2001, um mês após as Torres Gémeas, o Centro Cultural Lepanto organizou, em Roma, no Palácio da Chancelaria, uma grande conferência para celebrar os 430 anos da batalha de Lepanto, na presença de eminentes Cardeais e de descendentes de muitas famílias que combateram em Lepanto. Pois, de ora em diante, marco um encontro, em Roma, a 7 de Outubro de 2021, para juntos celebrarmos aquele dia glorioso para a Cristandade. Ainda falta um ano, mas hoje, 7 de Outubro de 2020, abre-se o que poderíamos definir como um ano jubilar. Assim o definiu, numa carta pastoral, o Bispo espanhol de Alcalá de Henares, Juan Antonio Reig Pla, que declarou: «No século XVI, o inimigo da civilização cristã era uma realidade no Império Otomano. Hoje, o inimigo está mais diluído e até se faz presente na Igreja. Hoje, os ataques não estão localizados num território específico, mas penetraram nas almas. A nossa situação é uma situação em que se prescinde de Deus e se procura “desestruturar” a pessoa humana, a família, a educação e o sentido cristão da vida social e política. Hoje, enfrentamos uma batalha cultural que, desde há séculos, moldou os seus princípios e dogmas».

Partilho este apelo para um ano jubilar e convido todos os amigos da Fundação Lepanto a juntarem-se a nós, sob a protecção de Nossa Senhora, dos Anjos e de São Pio V, modelo de Papa Católico também para o século XXI.

Mas a nossa iniciativa não quer ser apenas um acto de comemoração; quer ser, antes de tudo, uma declaração de guerra, ou melhor, uma resposta a uma guerra que nos foi declarada há muitos anos (ou séculos) e à qual pretendemos responder com todas as nossas forças, sem abandonar o lugar que a cada um de nós foi destinado pela Divina Providência.

As guerras acompanharam a história da humanidade desde o primeiro momento, como consequência do pecado original, mas a guerra mudou de rosto com a Revolução Francesa: tornou-se uma guerra civil, uma guerra ideológica, uma guerra total entre aqueles têm, na sua bandeira, a fé, a caridade e a esperança da Igreja Católica, e aqueles que nela colocam os princípios de 1789: liberdade, igualdade, fraternidade, entendidos como valores supremos e absolutos, sem nada que os transcenda. A ideia de uma guerra permanente surge, precisamente, do princípio revolucionário de paz perpétua e de fraternidade universal assumido como valor supremo. Por isso, contra a Revolução anticristã, que desde então nos ameaça, é necessário opor uma Contra-Revolução Católica coerente e integral, como deve ser a nossa fé.

Leão XIII, na encíclica Humanum genus, de 20 de Abril de 1884, descreveu o papel da maçonaria nesta guerra implacável contra a ordem natural e cristã.

À Revolução Francesa seguiu-se, em 1917, a Revolução Comunista. Pio XI, na encíclica Divini Redemptoris, de 19 de Março de 1937, descreveu o papel do comunismo, para o qual o liberalismo maçónico preparou o caminho, afirmando que, «pela primeira vez na história, estamos a assistir a uma luta friamente querida e cuidadosamente preparada pelo homem contra “tudo o que é divino” (I Thessal. 2, 4)».

A encíclica de Pio XI foi publicada vinte anos depois das aparições de Nossa Senhora, que, em 1917, no mesmo ano da Revolução Russa, anunciou, em Fátima, que, se a humanidade não tivesse reparado pelos seus pecados, a Rússia espalharia os seus erros no mundo.

A profecia de Fátima ainda não foi totalmente cumprida. Os erros do comunismo contaminaram, como um vírus maligno, o mundo inteiro. Qualquer um que acredite que o comunismo foi extinto após o desaparecimento da União Soviética, comete um fatal erro de julgamento

Desde a década de 1960, seguindo as directrizes de Antonio Gramsci e da “Escola de Frankfurt”, o comunismo desenvolveu, após a guerra ideológica, um novo tipo de guerra, uma guerra psicológica que, através das armas das palavras e das imagens, visa atingir as almas antes dos corpos e, nas almas, as tendências profundas do homem, os seus sentimentos e as suas emoções.

Esta guerra penetrou no interior da Igreja, porque a Igreja, que é, por excelência, inimiga da Revolução, é também o lugar onde se formam as almas para a batalha. As almas dos filhos da Igreja, sobretudo depois do Concílio Vaticano II, foram vítimas de um processo de deformação. Portanto, o Concílio Vaticano II, qualquer que seja o julgamento teológico que possa ser feito sobre os seus documentos, tem uma responsabilidade histórica na perda do espírito militante e no desarmamento psicológico e moral dos católicos.

Como admirar-se se, hoje, este vírus ideológico e psicológico tenha feito, de seguida, um vírus biológico, um inimigo que parece ser o símbolo físico, embora invisível, deste processo de envenenamento cultural e moral da humanidade? Como podemos surpreender-nos se à guerra ideológica e psicológica, fabricada em laboratório por manipuladores de profissão, se tenha seguido uma pandemia organizada? As dúvidas sobre a origem sintética do vírus desaparecem a cada dia. E como podemos surpreender-nos se este vírus teve a sua origem na China comunista, um país que ainda reivindica oficialmente as ideias de Marx, de Lenine e de Mao, tornando-as o programa para o seu futuro? Entramos na fase da guerra biológica, sem que isso signifique o fim da guerra ideológica, nem da psicológica. A anarquia mental que, no período do coronavírus, o mundo vivencia, é uma consequência dessa guerra psicológica que actua na “dissonância cognitiva”. O princípio da dissonância cognitiva leva os indivíduos a preferirem uma representação deformada da realidade à própria realidade, mesmo quando os factos a desmentem, porque a ideia distorcida que o indivíduo fez da realidade não é fruto de uma análise lógica dos factos, mas de um sentimento visceral que surge daquilo que o indivíduo quer crer, ou melhor, daquilo que os desinformadores querem fazer crer ao indivíduo. Uma dessas manipulações da realidade leva a crer que o Ocidente seja a causa e não a vítima da guerra em curso.

A guerra psicológica alimenta, por sua vez, uma Revolução Social, que se desenvolverá como a última fase do conflito para conduzir o mundo não a uma nova ordem mundial, mas a uma nova desordem planetária, não à ditadura política ou sanitária, mas ao reino do caos, desejado pelo poder das trevas, como imagem do inferno. Uma desordem global em que a Revolução obtém a sua aparente vitória, mas conhecerá também a sua derrota, porque a lei da criação é a ordem e o regresso à ordem é o programa de todos aqueles que se opõem à Revolução.

A Divina Providência é ordem; tudo o que acontece é por Ela previsto, permitido e ordenado. E nós queremos ser instrumentos da Divina Providência nesta batalha que combatemos no plano ideológico e psicológico, mas, sobretudo, no espiritual, contando não com as nossas débeis forças, mas com a ajuda d’Aquela que, em 1571, tornou possível a vitória de Lepanto. À Mãe de Deus, «augusta soberana da Igreja militante», terribilis ut castrorum acies ordinata, «terrível como um exército em ordem de batalha» (Ct 6, 10), Pio XII lembra que pertence o nome de “Senhora das Vitórias”. E, em Fátima, a Bem-Aventurada Virgem Maria anunciou, após terríveis provações que veriam a aniquilação de inteiras nações, o triunfo final do Seu Imaculado Coração.

Acreditamos nesta promessa e combatemos para a fazer acontecer. Mas é Ela, a Senhora das Vitórias, que organiza o exército, que escolhe os líderes, que define os tempos, os modos e os lugares das batalhas.

Com esta mensagem, queremos apenas responder ao apelo que vem do Céu, porque o Céu nunca cessa de dirigir o seu olhar para os homens que actuam na terra e espera a sua, a nossa resposta. Auxilium Christianorum, ora pro nobis.